8 Gestos Inofensivos que Podem te Causar Problemas em Outras Culturas

Se você é uma “pessoa viajada”, como diriam nossos avós, já deve ter encontrado determinadas particularidades de alguns países que, no Brasil, não teriam qualquer significado ou seriam extremamente inocentes.

Confira algumas delas antes de viajar aqui e agora:

 

1- Vai tomar no piiiiiii

 

Uma frase muito desagradável para dizer para alguma pessoa e altamente ofensiva quando dirigida a alguém com determinada seriedade. Contudo, em culturas árabes, para não chegar a dizer de fato as palavras obscenas, o pessoal apenas faz um sinal de positivo de forma discreta. Assim, se você não foi com a cara de algum muçulmano, fazer esse gesto para ele talvez expresse seus sentimentos. Só não garantimos que você permaneça com toda sua integridade física depois de tal ofensa.

O sinal de positivo com o polegar também é um tanto ofensivo na Tailândia, onde isso funciona basicamente como mostrar a língua para alguém por aqui. Bem infantil, porém eficaz.

2 – Não mostre o dedo do meio, mostre os dois

No Reino Unido e na Austrália, mostrar o dedo do meio para alguém pode não ser tão ofensivo quanto você poderia esperar. Nesses locais, o sentimento que você queria expressar nesse momento teria como gesto mais adequado fazer um “V” usando dois dedos de sua mão, assim como a imagem sugere. De qualquer maneira, fique sabendo disso quando for viajar para alugares como esses para não inventar de fazer um “paz e amor” invertido para ninguém.

3 – Alto lá!

Fazer um sinal de “pare” com toda sua mão aberta diante de alguém pode parecer extemo por aqui, mas dificilmente ofensivo. Na Grécia, entretanto, a coisa é bem mais embaixo. Por lá, o pessoal acredita que isso significa “esfregar excremento na cara das pessoas”. Ou seja, você não gosta de alguém e faz esse gesto para a pessoa saber o quanto não é apreciada. Dizem por aí que, na época do Império Bizantino, as pessoas realmente esfregavam seu cocô na cara de prisioneiros traidores em sinal de desgosto e na tentativa de humilhar.

4 – Gesto homofóbico

Um gesto de “ok” com os dedos, como na imagem, dificilmente vai ofender alguém no Brasil. Você normalmente irá dizer que alguma coisa está perfeita fazendo isso com a mão, mas na Grécia e na Turquia isso quer dizer que você está apontando para um homem gay. A dúvida que fica é o possível significado para se fazer a relação.

5 – Nem tudo vai dar certo


Se você já cruzou os dedos para torcer por algo ou ainda fez o mesmo gesto para livrar sua consciência na hora de um juramento, fique sabendo que nem todo mundo gostaria de ver isso no Vietnã. Por lá, os dedos cruzados dessa forma representam as partes íntimas femininas. Dessa forma, se você fizer isso para uma mulher, ela pode interpretar suas intenções de forma muito errada naquele país. Fique atento!

6 – Vem cá

Em Singapura, você nunca deve chamar alguém fazendo um gesto com a mão, aquele em que você abana seu membro no ar como se estivesse puxando de alguma forma a pessoa. Nesse país, isso significa a mesma coisa, mas é extremamente desapropriado para ser feito para pessoas, sendo algo como um chamado par cães. Ou seja, controle-se na hora de gesticular para pessoas que estão longe se você for para Singapura. A coisa é tão séria que pode render até cadeia.

7 – Presentear

Dificilmente você já tomou o cuidado de dar um presente para alguém com sua mão direita. Em vários países asiáticos isso é regra, já que a mão esquerda não serve para esse tipo de coisa. Nessas localidades, a mão esquerda teoricamente é a mão com que você bate nas nádegas do cônjuge durante a atividade do coito. Sendo assim, dar coisas para pessoas com essa mão “imunda” é um insulto.

8 – Não pegue nas minhas coisas

Se você conhecer um budista, nunca toque no topo da cabeça dele.
Essa cultura acredita que o espírito das pessoas reside ali. Por tanto, tocar nessa área da cabeça de um budista é como tocar em um lugar muito íntimo para outras.
Fique ligado e acompanhe aqui as atualizações do blog.
Veja também aqui outros artigos com dicas para curtir sua viagem ao exteriro.